terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Vergonha de ser brasileiro

E la rave và, ou Vergonha de ser brasileiro

Félix Maier

9/1/2007

Tenho vergonha de ser brasileiro quando tomei conhecimento de que, mais uma vez, pessoas inocentes foram queimadas vivas dentro de um ônibus da Itapemirim, no Rio de Janeiro.

Tenho vergonha de ser brasileiro, não que nossos bandidos sejam piores do que os de outros países. No fundo, todos eles são semelhantes, parece até que foram paridos de uma mesma mãe infernal.

Portanto, não tenho vergonha de ser brasileiro por causa dos crimes cometidos no Brasil. Tenho vergonha, sim, de ser brasileiro, porque não existe uma autoridade sequer que venha em público para dizer que não aceita mais esse tipo de crime hediondo, e como irá agir para que outros crimes semelhantes não mais venham a ocorrer.

Lula classificou aquele crime no Rio como terrorismo. E, de fato, foi um ato terrorista. Mas, o que de concreto o presidente fará para que outros crimes nefastos como aquele não se repitam? Ou que, pelo menos, os culpados sejam presos e exemplarmente punidos?

Tenho vergonha de ser brasileiro porque aqui impera a IMPUNIDADE, a mãe de todos os crimes cometidos no País, desde o simples ladrão de galinha, passando pelo crime de colarinho branco, até chegar aos crimes hediondos cometidos pelas facções criminosas que tomaram conta das grandes cidades brasileiras.

Tenho vergonha de ser brasileiro porque o Congresso Nacional está podre, muitos brasileiros já estão torcendo para que as torres gêmeas da Esplanada venham abaixo, como ocorreu com aquelas de Nova York. De preferência, com todos os parlamentares dentro dos prédios.

Tenho vergonha de ser brasileiro porque as leis são lenientes, são moldadas para beneficiar os bandidos, os quais, desta forma, são incentivados a continuar na criminalidade, porque no Brasil, infelizmente, o crime compensa, já que todos eles têm a plena certeza de que passarão um breve período na cadeia.

Tenho vergonha de ser brasileiro porque o Supremo Tribunal Federal jogou no mesmo balaio criminosos comuns e criminosos hediondos, que têm o mesmo benefício da diminuição de pena (1/6), além de regalias, como o "saidão" de Natal, Dia das Mães etc., quando aproveitam para renovar o estoque de crimes cometidos.

Tenho vergonha de ser brasileiro porque nenhum deputado mensaleiro e/ou sanguessuga foi punido, pelo contrário, muitos deles foram agraciados com uma votação expressiva nas últimas eleições e, assim, voltaram fagueiramente ao Parlamento como se nada tivesse ocorrido.

Leia texto completo em Usina de Letras.