sábado, 3 de janeiro de 2009

A língua de pau chega ao judiciário

Félix Maier

9/12/2005

A “língua de pau” hoje em voga tenta transformar assassinas de bebês em pessoas que teriam o "direito de dispor do próprio corpo", ao mesmo tempo em que criminaliza aqueles que se posicionam como anti-abortistas.


Quem pratica pederastia é o quê? Pederasta. Quem pratica roubo é o quê? Ladrão. E quem pratica o aborto de bebê é o quê? Além de assassino de bebê, é abortista.

Não é isso o que pensam os juízes da Primeira Turma Recursal de Brasília, que condenaram o padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, presidente da ONG anti-abortista Pró-Vida (http://www.providaanapolis.org.br/), de Anápolis, a pagar uma multa de R$ 4.250,00, mais juros de mora, por ter chamado uma antropóloga abortista de “antropóloga abortista”…

Lendo, abaixo, alguns trechos do acórdão que criminalizou a palavra “abortista”, podemos comprovar a hipócrita “linguagem de pau” (http://www.midiasemmascara.org/?p=2324) utilizada pelos juízes, que transferiram ao pobre padre a intolerância de uma verdadeira Inquisição medieval que eles mesmos utilizaram sem nenhuma cerimônia.

Leia texto completo em http://www.midiasemmascara.org/?p=4702.

Obs.: O Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz é autor do livro Aborto na Rede Hospitalar Pública - O Estado Financiando o Crime. Informações sobre o livro: http://www.providaanapolis.org.br/aborede.htm.