sábado, 3 de janeiro de 2009

A biografia do presidente Lula

Félix Maier

22/06/2005

Lula, de abafa-corrupção, passou de repente a ser o paladino da moralidade, dizendo que, se preciso for, irá “cortar na própria carne”.


Depois do tsunâmi de lama que varreu o Planalto Central, os políticos petistas estão preocupados em salvar a biografia de Lula. Mais ainda do que os kamaradas que compõem a “República dos Barbudinhos”, o próprio Lula está muito preocupado com isso, como já frisou em público mais de uma vez.

Ora, a biografia de Lula já está suja há muito tempo, mais do que pau de galinheiro. Para comprovar a afirmação, podemos enumerar vários fatos ocorridos com o Presidente, que emporcalham qualquer tipo de biografia.

Primeiro, foi a aposentadoria precoce que Lula recebeu por conta – quem sabe? – de duas semanas que passou no xilindró durante o governo militar, por ter desobedecido a Lei de Greve. Naquela época, as leis eram cumpridas, por isso Lula foi para a cadeia, não como hoje, quando hordas de bandidos do messetê invadem fazendas, queimam residências e tratores e nada acontece ou, pior, os terroristas do MST são ainda incentivados a continuar a realizar a bandidagem com farto dinheiro público distribuído pelo governo federal via INCRA. Não foi à toa que recentemente Lula afirmou que “o MST é o movimento social mais sério do Brasil”. A ligação de Lula com o messetê vem de longa data: “O proprietário da Fazenda Amoni… está convencido de que a invasão de sua propriedade foi uma operação de guerrilha, no mesmo estilo adotado pelo governo de Cuba em vários países da América Latina. Ele acusou políticos e sindicalistas do PCB, PC do B e do PT e citou nominalmente o presidente do Partido dos Trabalhadores, Luiz Inácio Lula da Silva, de terem doutrinado agricultores sem terra com ensinamentos recebidos em cursos que são ministrados em Havana” (Jornal Zero Hora - 07.01.1985).

Veja texto completo em http://www.midiasemmascara.org/?p=4149