domingo, 4 de janeiro de 2009

Bandeira Nacional e Positivismo

Félix Maier

21/11/2005

A Bandeira Nacional tem origem no Positivismo. A respeito do assunto, assim nos ensina o "positivista ortodoxo" Arthur Virmond de Lacerda Neto, autor do livro A República Positivista, Juruá Editora, Curitiba, 2003, pg. 132-133:

"Na mesma sessão de 15 de novembro, em que a Câmara Municipal carioca reconheceu o regime, hasteou José do Patrocínio oficiosamente uma bandeira republicana, decalcada sobre a norte-americana, apresentando faixas horizontais alternadamente verdes e amarelas. Preocupado com a imitação do modelo estrangeiro, alheio às tradições nacionais, apressou-se Teixeira Mendes em conceber outra, que caracterizasse a nova situação política, simbolizando a filiação do presente em que se adentrava, ao passado imperial. Assim, conservando as três figuras geométricas do pendão monárquico (retângulo verde inscrevendo o losango amarelo que por sua vez circunscreve o círculo), eliminou os emblemas do regime decaído (coroa encimando escudo, contendo este esfera armilar sobre a cruz de Cristo) e os ramos de tabaco e café, moralmente indesejável aquele enquanto fonte vegetal de um vício e economicamente inadequados ambos, visto que não mais representarem as principais riquezas agrícolas do país. A tudo substituiu uma esfera representando o aspecto celeste do Rio de Janeiro no instante do advento do regime que simbolizava, com a inscrição Ordem e Progresso . Na distribuição estrelar introduziu o Cruzeiro do Sul, cujo formato em cruz evoca os antecedentes católicos da nação.

Apresentado o desenho por Teixeira Mendes a Benjamim, este aprovou-o sem hesitar, submetendo-o por sua vez a Deodoro, que o reputou o melhor projeto dentre os concebidos.

Oficializada em 19 de novembro, por efeito do Decreto nº 4, que estabeleceu também os novos selos e sinetes, reproduzindo-lhe estes a esfera, circundada com a designação oficial do país (República dos Estados Unidos do Brasil), levantou o novo símbolo a fúria dos monarquistas, dos clericais, dos adversários do Positivismo e dos inconformados em geral. Acesas polêmicas travaram-se durante sucessivos lustros, objetando-se particularmente a presença do dístico positivista, cujos significado e origem a maioria esmagadora dos brasileiros hoje ignora. Às acusações e críticas responderam os apóstolos com perfeita propriedade, inclusive às tentativas de remover-se a fórmula ou mesmo de reformar-se o pendão por inteiro".

Leia texto completo em http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=38952&cat=Artigos&vinda=S