sábado, 27 de dezembro de 2008

Raul Gil e sua usina de cantores


Félix Maier

1/12/2005

O ano de 2001 havia começado péssimo, com os "trenzinhos" funks dos bailes cariocas sendo apresentados em nossa TV. Um tapinha não dói, Dominado, tá tudo dominado eram os hit parades da ocasião. Mas aquele ano acabou ótimo, ao menos na TV Record, com o Programa de Calouros Raul Gil, apresentado aos sábados, que nos brindou com belas surpresas, como o cantor gospel Robinson Monteiro, o tenor Rinaldo Viana e a soprano Liriel Domiciano (foto com Raul Gil). O primeiro disco desse dueto lírico, Romance, produzido pela Warner, foi encantador, com músicas escolhidas a dedo, entre o lírico (Con Te Partiro, Canto Della Terra, Adágio), o popular (Eu Nunca Mais Vou Te Esquecer, de Moacyr Franco) e um bônus natalino (Panis Anelicus, Adeste Fidelis e Noite Feliz), por ter sido lançado às vésperas do Natal. Além desse trio de cantores citados, os primeiros “calouros” a serem contratados por uma gravadora, havia uma constelação de estrelas de ótimo nível, como André Leono, Alexandre Arez, Érika Rodrigues, Leila Moreno e Kelly Moore, que também acabaram gravando seus CDs, pela Luar Music, um selo criado pelo próprio Raul Gil e seu filho, Raul Gil Júnior, produtor do Programa (Luar é Raul ao contrário).

Robinson logo arranjou um fã-clube, era apelidado de “anjinho”, devido a seus cabelos louros encaracolados, contrariando a previsão da revistona dos Civita (Óia), a qual, numa rápida reportagem, havia dito que os fãs de Robinson eram compostos por “meia dúzia de cretinos”: seu CD Anjo vendeu em torno de 1 milhão de cópias. E mais teria vendido, se não fosse a pirataria, uma vergonha nacional. Rinaldo e Liriel passaram a ser os pontos altos do Programa, que se tornou líder de audiência durante meses, desbancando muitas vezes o futebol do Brasileirão, apresentado na Globo. Raul Gil recebeu homenagem na Câmara dos Deputados, por levar ao ar um programa sem baixaria, onde toda a família podia assistir sem sobressaltos, sem ver crianças dançando em cima de “bocas de garrafas”, e ganhou da Câmara um microfone banhado em ouro que ostenta em seus programas até os dias de hoje.

A respeito do assunto, eu escrevi no final de 2001 um artigo para Usina de Letras, chamado Usina de Cantores (http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=4575&cat=Artigos), enviando uma cópia para Raul Gil. Coincidência ou não, em 2002, Raul Gil lançou “Usina de Talentos” no seu quadro de calouros, sem me pagar royalties...

Leia texto completo em http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp?codigo=1769

Veja a performance de Liriel Domiciano cantando Over the Rainbow (Além do Arco-Íris), de O Mágico de Oz, no Coral do Tabernáculo Mórmon, de Boston, EUA, em http://ninhoemchamas.blogspot.com/2006_11_01_archive.html. O site oficial de Liriel é http://www.liriel.com.br/. Veja a primeira apresentação de Liriel, como caloura do Raul Gil, cantando Con Te Partiró, em http://www.youtube.com/watch?v=jRi82WqF0hg

Saiba mais sobre as apresentações do Coral Mórmon clicando em http://www.youtube.com/view_play_list?p=A1F5E5ED962CEF8A