terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Nacionalismo e esquerdismo nas Forças Armadas

Félix Maier

26/10/2003

1 - Introdução

Como outras instituições da sociedade brasileira, as Forças Armadas também têm sofrido a influência da ideologia comunista desde que foi criado no Brasil, em 25 de março de 1922, o Partido Comunista-Seção Brasileira da Internacional Comunista (PC-SBIC), que depois de 1934 passou a denominar-se Partido Comunista do Brasil e, em 1960, Partido Comunista Brasileiro (PCB).

Desde então, os comunistas já tentaram tomar o poder no Brasil em três ocasiões: com a Intentona Comunista (1935); durante o Governo João Goulart (1961-64); e durante os "anos da matraca", que teve início em 1968, no auge da "Revolução Estudantil" que agitou todo o mundo Ocidental, e terminou em 1974, depois de um bem-sucedido trabalho repressivo das Forças de Segurança, com o desbaratamento dos grupos terroristas, atuantes principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, e o fim da Guerrilha do Araguaia, ocorrida no Sul do Pará.

O nacionalismo nas Forças Armadas - mormente o do Exército -, por sua vez, confunde-se com os primeiros movimentos nativistas surgidos ainda na época do Brasil colônia, como a invasão holandesa em Pernambuco. Quanto à influência comunista nas Forças Armadas, pode-se acrescentar que sempre houve uma pregação do nacionalismo por parte das correntes esquerdistas, de modo a cooptar o sentimento patriótico dos militares. Foi assim em todas as ocasiões em que a esquerda tentou tomar o poder, sempre colocando o sentimento nacionalista do militar brasileiro - um sentimento, em si, justo e digno - contra a influência do "imperialismo" capitalista mundial, especialmente o norte-americano, tido pelas esquerdas como o maior entrave à soberania e ao desenvolvimento nacionais.

Leia o ensaio completo em http://www.rberga.kit.net/hp64/hp64/felix-3.html.

Ouça Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro em http://www.youtube.com/watch?v=3NiH1fTHZow