terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Médici: ápice do desenvolvimento brasileiro

Félix Maier

29/07/2003

Nestes tempos de desinformação esquerdizofrênica, é com alegria que apresento uma página na Internet que tem um único compromisso com o leitor: relatar a verdade histórica. Trata-se do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getúlio Vargas.

Se você abrir, por exemplo, a página do Movimento Tortura Nunca Mais (http://www.torturanuncamais-rj.org.br/), verá a exaltação da biografia criminosa de inúmeros terroristas marxistas, que infernizaram o Brasil nas décadas de 1960 e 70. Verá com destaque a concessão da “Medalha Chico Mendes de Resistência” a terroristas nacionais (Luís Carlos Prestes, Carlos Lamarca, Carlos Marighela, Iara Iavelberg) e estrangeiros (Ernesto Che Guevara), a algumas figurinhas carimbadas da esquerda tapuia festeira, como Emir Sader, Frei Betto, Oscar Niemayer, Paulo Freire, Leonardo Boff, Mário Lago, Luís Fernando Veríssimo, Herbert de Souza (“Betinho”), e a bispos-vermelhos, como Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Hélder Câmara, Dom Mauro Morelli, Dom Pedro Casaldáliga – além dos terroristas da atual “guerrilha desarmada” (por enquanto!) do MST, a exemplo de João Pedro Stédile e de outros cangaceiros menos conhecidos, que foram presos por promoverem o esbulho e depredações no campo. Não podia faltar uma Medalha para o famigerado CDR cubano (Comitê de Defesa da Revolução), encarregado de vigiar todos os cidadãos da ilha-prisão de Fidel Castro, porém nota-se a ausência de uma Medalha para as FARC, co-irmã do PT no Foro de São Paulo.

Para o leitor ter uma idéia do que é sério e do que é apenas fantasioso, veja os verbetes de Carlos Lamarca, em Tortura e no CPDOC (http://www.cpdoc.fgv.br/). E verá o colossal abismo de informações que existe entre o que ocorre com um torcedor fanático, defensor de facínoras, e com um espectador sério, impassível frente aos fatos apresentados.

Leia texto completo em http://www.midiasemmascara.org/?p=1428