sábado, 27 de dezembro de 2008

Evangélicos: futuros talibãs?

Félix Maier

07/10/2005

Recebi de Arthur de Lacerda, por e-mail, o seguinte texto:

“Mandei para a Folha de S. Paulo, que apóia a laicização do Estado:

A cruz no tribunal

É corretíssimo o movimento pela remoção dos símbolos teológicos das repartições públicas, como a cruz nos tribunais, face à laicidade do Estado, introduzida em 1890, pelos positivistas, discípulos de Augusto Comte, que sempre pugnaram pela separação entre a Igreja e o Estado. Este não deve privilegiar nenhum credo e não pode, portanto, exibir símbolos religiosos, independentemente de a maioria da população professar esta ou aquela religião, pois religião é assunto do foro íntimo e não da esfera dos poderes públicos. Nesta lógica, deve-se também remover os crucifixos das casas parlamentares, a expressão ‘Deus seja louvado’ do papel-moeda e os feriados religiosos, que constrangem os acatólicos a um ato de culto de uma religião que não professam.

Arthur Virmond de Lacerda Neto, advogado, de Curitiba”.


É natural que na semana que antecede as comemorações da festa de Nossa Senhora Aparecida apareçam pessoas querendo colocar Jesus Cristo e Nossa Senhora diante do tribunal. À medida que aumenta a intolerância contra os católicos, as ações dos causídicos positivistas e dos “bíblias” irão aparecer aos borbotões.

Leia texto completo em http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=6212&cat=Ensaios&vinda=S